Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/tribuna/public_html/antigo/files/contador.php on line 19
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
NOTÍCIAS
Concursos
Copa do Mundo 2018
Política
Reportagem Especial
Policial
Regional
Estadual
Nacional
O Mundo
Economia
Educação
Meio Ambiente
Saúde
Esporte
Local
CANAIS
Alto Astral
Turismo
Reflexão
Dicas e Truques
Editais
Artigos
Parábola
Telefones Úteis
Eventos
Horóscopo
Culinária
Poesias
Piadas
Aniversariantes
Contas Públicas
LINK'S
Micks Informática
Vilson Nunes
Farol da Cidade
Joaquim José Show
Folha do Vale
Sudoeste Bahia
Agência Sertão
Pref. de Guanambi
Alô Cidade
Lobo Mau
Blog do Latinha
Caetfest
Iguanambi
Twitter Trib.Popular
Face Tribuna Popular
REDEINTERSOFT.COM
a-Bahia.com
Deputada Ivana Bastos
Portal Alô Pilões
 
a a a
 
O medo da violência / O medo da morte: O poder do estado em risco.
 
Terça, 11 de Agosto de 2009  
 

A violência cotidiana mudou nossos hábitos, a arquitetura de nossas casas, a cidade onde vivemos, tudo enfim ao nosso redor. Nossos medos mais ancestrais estão aflorados, motivados, também, pelo tratamento que a mídia oferece. O terror televisivo acaba contribuindo para a materialização de uma prática estressante de cuidados com a segurança pessoal. Embora, muitas vezes, não aprofundado, o medo da morte por conta da violência urbana assumiu a proporção de debate popular, expresso tanto na conversa, como na pauta das instituições que compõem a sociedade.

As respostas a este fenômeno têm-se mostrado múltiplas e diversas, abrangendo uma gama de medidas, nos mais variados níveis: coletivo, individual, estatal. As pessoas se armam, cercam suas casas, pagam segurança privada, organizam passeatas pedindo paz, os políticos apresentam projetos de lei no Congresso para que o Governo implemente um programa nacional de segurança mais eficaz.

A violência é um traço tão marcante das sociedades contemporâneas que Arendt (1993, p.13) propõe uma: “Reconsideração da condição humana à luz de nossas mais novas experiências e nossos temores mais recentes”.

Parece que tudo nos provoca medo e insegurança como afirma o saudoso sociólogo e um dos maiores especialistas em violência urbana da Bahia (meu mestre) Gey Espinheira (2001, p.08) que: “Há uma sensação generalizada que se vive em um período em que a violência está sem controle...” Isso acaba corroborando as análises de Arendt (2001, p.44) que: onde a violência aparece, o poder está em risco, mas, deixada a seu próprio custo, ela conduz à desaparição do poder. 

As periferias são exemplos típicos dessa ausência de poder. O Estado que é um poder “coletivo” reconhecido institucionalmente pela sociedade democrática, não se faz presente no atendimento aos principais serviços como: saúde, educação, saneamento, segurança. Essa ausência de poder nos bairros periféricos, provoca a expansão da violência nos seus mais diversos graus: tráfico, roubos, brigas, assassinatos, repressão policial.  As populações dessas localidades vivem com o pânico cotidiano de serem alvos de algum tipo de ação que resulte na sua morte ou no óbito de algum familiar.

A opção por um modelo de Estado resistente ao investimento em áreas sociais, faz com que o cidadão se dê conta que seu papel na sociedade vale menos que as leis de mercado. O drama de quem não tem acesso a uma verdadeira política de segurança pública é terrível e assustador.

Hoje, a violência é uma das questões que mais tem preocupado a sociedade brasileira. Isso se explica pelos seus efeitos deletérios sobre a qualidade de vida da população, assim como sobre o desenvolvimento sócio-econômico do país. A morte é temida por todos, mas é também, assistida diariamente nas ruas, nos confrontos entre polícia e bandidos, nos assaltos, nos diversos tipos de brigas e disputas e nas telas de TV que continua com a overdose de notícias de sangue e dor por toda parte do mundo. O pior de tudo isso é que a verdade não pode ser escondida, a violência é um fato/atitude global e local e todos somos parte desse processo.

O Estado brasileiro e principalmente, o baiano corre um sério risco de perder a sua autoridade (que não é autoritarismo) se não pautar de forma prioritária a discussão política com a sociedade sobre a segurança pública. É preciso discutir com representantes de associações de moradores, com a mídia (televisões, jornais, rádios, internet), integrantes das policias civil e militar, especialistas em violência urbana das universidades e as Secretarias de Segurança Pública, de Justiça e Direitos Humanos. Todos podem ajudar, mas o Estado não pode se ausentar.

Referências

ARENDT, Hannah. Sobre a Violência. Trad. André Duarte. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2001.
ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Trad. Roberto Raposo. 6ª. Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

ESPINHEIRA, Gey. Sociabilidade e Violência na Vida Cotidiana de Salvador [8-16] In Bahia Análise & dados, V. I (1999). Salvador: Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia, 2001.

 

Ivandilson Miranda Silva - Graduado em Filosofia Pela Universidade Católica do Salvador (UCSAL), Especialista em Metodologia do Ensino, Pesquisa e Extensão em Educação Pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Professor de Filosofia e Sociologia na Fundação Baiana de Engenharia (FBE) e no Colégio Acadêmico de Villas do Atlântico, Músico da Banda Periferia, Colaborador e Professor de Cinema e Contextualização na Associação Educacional, Cultural e Ambiental Comunidade Universitária, Leciona as Disciplinas Humanidades I e II na UNIME – PARALELA, Salvador, Ba. E-mail: Ivandilson-silva@ig.com.br, Blog: http://ivandilsonmiranda.zip.net


 
 
Untitled Document
 Deixar um comentário
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Fones: (77) 9 9962-1243 e 9 8827-5702
Editora Tribuna Popular LTDA - Avenida Presidente Castelo Branco, 96, Centro, Guanambi-Ba.