Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
NOTÍCIAS
Concursos
Copa do Mundo 2018
Política
Reportagem Especial
Policial
Regional
Estadual
Nacional
O Mundo
Economia
Educação
Meio Ambiente
Saúde
Esporte
Local
CANAIS
Alto Astral
Turismo
Reflexão
Dicas e Truques
Editais
Artigos
Parábola
Telefones Úteis
Eventos
Horóscopo
Culinária
Poesias
Piadas
Aniversariantes
Contas Públicas
LINK'S
Micks Informática
Vilson Nunes
Farol da Cidade
Joaquim José Show
Folha do Vale
Sudoeste Bahia
Agência Sertão
Pref. de Guanambi
Alô Cidade
Lobo Mau
Blog do Latinha
Caetfest
Iguanambi
Twitter Trib.Popular
Face Tribuna Popular
REDEINTERSOFT.COM
a-Bahia.com
Deputada Ivana Bastos
Portal Alô Pilões
 
a a a
 
Uneb denuncia atos de vandalismo em sítios arqueológicos em Paulo Afonso
 
Segunda, 22 de Fevereiro de 2010  
 

A ação de depredação aos sítios arqueológicos de Paulo Afonso continua a preocupar gestores, arqueólogos e pesquisadores do Campus VIII da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), sediado no município, que buscam apoio para preservar os 112 sítios catalogados nos povoados de Rio do Sal, Lagoas das Pedras, Mão Direita e Malhada Grande.

Em 2009, a Uneb, em parceria com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), inaugurou o Museu a Céu Aberto de Artes Rupestres com o objetivo de preservar os sítios arqueológicos da região, possibilitando que as pessoas conheçam a história dos povos indígenas do Nordeste, a exemplo dos grupos pré-coloniais de mais de nove mil anos atrás.

Antes do museu, as artes rupestres – códigos pintados por grupos originários da Bacia do São Francisco em rochas situadas no platô do cânion do Velho Chico – estavam sendo destruídas por extratores de granito, que usavam as rochas para confecção de paralelepípedos.

O último ataque de vandalismo aconteceu em janeiro deste ano, quando foi destruída a estrutura de um sítio arqueológico. Passarela e cercas de proteção foram quebradas, e as placas de identificação do local foram amassadas e perfuradas a bala.

A universidade está sensibilizando também os índios em relação aos problemas nos sítios arqueológicos.

Em janeiro, durante uma aula de campo do curso de Licenciatura Intercultural em Educação Escolar Indígena (Liceei) no Museu a Céu Aberto de Artes Rupestres, ministrado por Cleonice Vergne e pela também professora da Uneb Floriza Fernandes, os povos indígenas das etnias tuxá, tumbalalá, kiriri, kaimbé, pankararé e xukuru-kariri testemunharam a depredação.

Revoltados com a inércia das instituições responsáveis pela preservação do patrimônio histórico, os índios entregaram um documento ao procurador Samir Nachef, do Ministério Público Federal no município, reivindicando a abertura de uma ação judicial contra a depredação.

No encontro, que contou com a participação de representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai), Nachef se comprometeu em buscar soluções para o problema.

 

 

 


 
 
Untitled Document
 Deixar um comentário
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Fones: (77) 9 9962-1243 e 9 8827-5702
Editora Tribuna Popular LTDA - Avenida Presidente Castelo Branco, 96, Centro, Guanambi-Ba.